Cirurgia Ortognática - Principais Esclarecimentos

Data: 19/07/2012

Autor: Comunicação Dr.Tiago Tavares










CIRURGIA ORTOGNÁTICA
é o procedimento realizado por Cirurgiões-Dentistas especialistas em Cirurgia Buco-Maxilo-Facial, para correção das deformidades dento faciais, ou seja, o mau posicionamento dos maxilares e dentes. Os tecidos moles da face, ou seja, a musculatura e pele sobrejacente acompanham esta desarmonia. Características transmitidas geneticamente perfazem um queixo longo ou curto demais. A correção estética e principalmente funcional dos maxilares é o principal objetivo da cirurgia ortognática. O aparelho ortodôntico deve ser utilizado antes a após a cirurgia.

1) Quando eu preciso de Cirurgia Ortognática?
Quando os dentes superiores não encaixam perfeitamente com os dentes inferiores dá-se o nome de má oclusão dentária. A base óssea para os dentes superiores é a maxila, e a base óssea para os dentes infeiores é a mandíbula. Por um fator de genética, o osso maxilar e ou mandibular podem estar em uma posição inadequada fisiologicamante. Em consequencia disto, os dentes também estarão fora de suas posições corretas.
Portanto a cirurgia Ortognática estará indicada para adequar corretamente os ossos maxilar e mandibular em sua posição correta e a Ortodontia para posicionar os dentes em sua posição desejada para o perfeito equilíbrio da oclusão (mordida) e da face.

2) Quais os profissionais envolvidos na Cirurgia Ortognática?
O Cirurgião Bucomaxilofacial e Ortodontista são os profissionais responsáveis pelo diagnóstico, planejamento, execução e finalização do caso.

3) Esta cirurgia pode ser realizada no consultório sob sedação?
Não. A cirurga Ortognática é realizada em um seguro centro cirúrgico hospitalar sob anestesia geral.

4) Quanto tempo ficarei internado?
De 1 a 2 dias.

5) Quais os tipos de Cirurgia Ortognática?
A Cirurgia pode ser na maxila (maxilar superior) e ou na mandíbula (maxilar inferior), associada ou não ao mento ("ponta do queixo"). Isto será definido pelas suas características faciais, medidas radiográficas e dos modelos de gesso.

6) Ficarei impossibilitado de abrir a boca após a cirurgia?
Não. Com o advento das fixações ósseas por meio de miniplacas e miniparafusos, não existe a necessidade de bloqueio dos dentes e maxilares.

7) Existe cicatriz no pós operatório?
Não. A cirurgia atualmente é realizada totalmente por dentro da boca.

8) Como é o pós operatório?
A Cirurgia Ortognática é um procedimento que inevitavelmente proporciona edema em face, podendo ser associado a pequenos pontos de equimose (roxos) na pele, porém não há relatos de dor por parte dos pacientes. É possível e viável falar no pós operatório imediato. O tempo de recuperação é de aproximadamente 1 semana. É importante levar em consideração o tipo de Cirurgia Ortognática envolvida e a resposta fisiológica de cada indivíduo.

9) Quanto tempo demora o tratamento ortodôntico?
Em média de 6 meses a 1 ano e meio antes da cirurgia; e 6 meses a 1 ano após a cirurgia.

10) O que acontece se eu fizer somente o tratamento ortodôntico e não realizar a cirurgia Ortognática?
Uma vez a ortodontia realizada isoladamente o seu problema será mascarado, e não resolvido. Os dentes estarão em uma posição quase aceitável, os ossos maxilares continuarão em uma posição inadequada fisiologicamente, não haverá equilíbrio na oclusão dentária e a harmonia facial ficará comprometida.

11) Quanto custa uma Cirurgia Ortognática?
O planejamento envolvido pode consistir em uma cirurgia que envolva somente um maxilar ou em conjunto com o outro maxilar e o mento (queixo), para isto existe a necessidade de analisar exames radiográficos para que medidas angulares e lineares sejam feitas individualmente. Outras variáveis como o Hospital, tempo de internação e tipo de material utilizado interfere no planejamento financeiro de cada caso. A cirurgia ortognática consta no rol de procedimentos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), portanto uma grande fatia deste investimento é coberta pelos planos de saúde hospitalares.

 

Voltar

OUTRAS POSTAGENS

HUGOL possui atendimento especializado em ...

Profissionais especializados em traumas faciais HUGOL.

Dentre os possíveis traumas sofridos pelas vítimas de quedas ou acidentes de trânsito, existem os que ocorrem na face, tratados por uma dasespecialidades atuantes no HUGOL: a Cirurgia Buco-maxilo-facial, com profissionais da Odontologia que têm residência realizada em ambiente hospitalar, em nível de pós-graduação.

Os acidentes motociclísticos estão entre as principais causas de traumas faciais, seja pela falta do capacete ou até mesmo pelo uso de capacetes em desacordo com as normas-padrão. Guttieryque Pereira da Silva, 25 anos, foi paciente do HUGOL por 31 dias, pois sofreu uma queda de sua moto. Devido às lesões na face, recebeu atendimento da equipe de Buco-maxilo-facial da unidade e afirmou ter ficado contente com o tratamento dos profissionais. O alerta, nesse caso, é para utilizar o capacete, porém com atenção crucial na forma de prendê-lo corretamente na cabeça.

De acordo com o supervisor da Cirurgia Buco-maxilo-facial, Dr. Eder de Lima, o hospital tem atendido vários casos de trauma facial grave e a equipe cirúrgica tem obtido êxito nos procedimentos de reconstituição da face. “A Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial (CTBMF), sob a ótica da organização dos serviços hospitalares, tem como um dos seus objetivos o diagnóstico e o tratamento cirúrgico e coadjuvante das doenças de origem traumática do sistema estomatognático e da região buco-maxilo-facial”, explica o supervisor.
Dr. Eder complementa que “a vítima de traumatismo facial pode apresentar lesões ósseas e/ou de tecidos moles que podem afetar funções vitais, ocasionando por vezes quadros hemorrágicos e obstruções das vias aéreas, incorrendo em sérios riscos à vida do paciente”.

O Movimento Maio Amarelo

Movimento Maio Amarelo.

O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas.


Acompanhando o sucesso de outros movimentos, como o “Outubro Rosa” e o “Novembro Azul”, os quais, respectivamente, tratam dos temas câncer de mama e próstata, o “MAIO AMARELO” estimula você a promover atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito.

A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela, segue a mesma proposta de conscientização já idealizada e bem-sucedida, adotada pelos movimentos de conscientização no combate ao câncer de mama, ao de próstata e, até mesmo, às campanhas de conscientização contra o vírus HIV – a mais consolidada nacional e internacionalmente.

Portanto, a escolha proposital do laço amarelo tem como intenção primeira colocar a necessidade da sociedade tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.

Vale ressaltar que o MAIO AMARELO, como o próprio nome traduz, é um movimento, uma ação, não uma campanha; ou seja, cada cidadão, entidade ou empresa pode utilizar o laço do “MAIO AMARELO” em suas ações de conscientização tanto no mês de maio, quanto, na medida do possível, durante o ano inteiro.

A motivação para o Movimento MAIO AMARELO não é novidade para a sociedade. Muito pelo contrário, é respaldada em argumentos de conhecimento público e notório, mas comumente desprezados, sem a devida reflexão sobre o impacto na vida de cada cidadão.

Em conclusão, o MAIO AMARELO quer e espera a participação e envolvimento de todos comprometidos com o bem-estar social, educação e segurança em decorrência de cultura própria e regras de governança corporativa e função social; razão pela qual, convidamos você, sua entidade ou sua empresa a levantar essa bandeira e fazer do mês de maio o início da mudança e fazer do AMARELO, a cor da “atenção pela vida”.