A saúde começa pela boca

Data: 15/09/2014

Autor: Comunicação Dr.Tiago



O organismo humano funciona como uma orquestra: cada órgão cumpre o papel de um instrumento. E, quando um desafina, o corpo todo pode ser afetado. Quando a saúde bucal não está em harmonia, as bactérias e os fungos naturais dessa região podem se proliferar e atingir outros órgãos.

Cuidar dos dentes não é apenas questão de estética, e sim de saúde. De acordo com a American Dental Association (ADA) , problemas bucais, como doença crônica gengival (periodontite), podem acarretar inclusive males no coração e nos pulmões.

Diversas doenças sistêmicas – aquelas que eventualmente afetam todo o organismo – podem ter origem em infecções orais. “Um exemplo é a endocardite bacteriana, infecção grave das válvulas cardíacas ou das superfícies do coração, cuja bactéria que causa o problema pode ser proveniente de falta de cuidados com a higiene oral, como não escovar os dentes, e de doenças bucais existentes”, explica a dra. Letícia Bezinelli, cirurgiã-dentista da unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Um caso sério

Entre os problemas bucais mais comuns na população brasileira está a gengivite

Entre os problemas bucais mais comuns na população brasileira está a gengivite, que, quando não tratada, pode evoluir para a periodontite. Conforme a Associação Brasileira de Odontologia , menos de 22% de adultos e 8% dos idosos têm as gengivas totalmente saudáveis.

As complicações surgem quando a placa bacteriana não é removida e, assim, inicia-se a inflamação da gengiva. Suas características mais conhecidas são a vermelhidão, inchaço e o sangramento.

Quando acumulada por um período maior, a placa começa a endurecer pela deposição de sais minerais da saliva e dá origem ao cálculo dental – o tártaro – o qual fica firmemente aderido ao dente. “A escovação já não é capaz de removê-lo e, se o cirurgião-dentista não atuar, inicia-se uma destruição progressiva e irreversível das estruturas que sustentam os dentes: osso alveolar e ligamento periodontal”, alerta a dra. Fernanda de Paula Eduardo, cirurgiã-dentista da unidade de Transplante de Medula Óssea do HIAE.

Assim, um simples problema bucal se transforma em um caso mais sério, a periodontite. Essa inflamação resulta em sangramento, sensibilidade, retração da gengiva, mau hálito, mobilidade e pode acabar com a perda dental. “O grande problema da doença periodontal é que, na maioria das vezes, se comporta de forma silenciosa e assintomática e, quando o paciente percebe, já existe um comprometimento severo da estrutura dentária”, afirma a dra. Letícia Bezinelli.


Cárie dentária

Os problemas bucais não param por aí. Segundo a Associação Brasileira de Odontologia, 60% das crianças têm cárie, muito comum nessa fase da vida. É uma doença infectocontagiosa, ou seja, trasmissível. A cárie surge a partir de resíduos alimentares que permanecem em contato com os dentes e são utilizados pelas bactérias presentes na boca. Assim, surge a placa bacteriana e, a partir dessa interação, há produção de ácidos que podem destruir as estruturas dentais.

Se não for diagnosticado rapidamente, esse processo evolui e pode levar à morte da polpa – nervo responsável pela vitalidade do dente – e até à formação de um abscesso, coleção de pus com a presença de bactérias. “Nesses casos, a preocupação é grande, pois existe o risco de uma infecção local se disseminar para outras partes do organismo”, diz a dra. Fernanda.

"Conforme a Associação Brasileira de Odontologia, menos de 22% de adultos e 8% dos idosos têm as gengivas totalmente saudáveis."

Entre os motivos que levam ao problema estão sobretudo a má alimentação, o que inclui a alta ingestão de açúcar, e a falta de higiene. As orientações para evitar cáries na infância devem começar com as mães ainda gestantes, pois alguns fatores podem interferir no desenvolvimento dos dentes do bebê. Determinados antibióticos, como a tetraciclina, administrados em gestantes ou lactantes podem causar descoloração ou manchas.

Outros problemas bucais

Apesar de a cárie e a doença periodontal serem os principais e mais comuns problemas bucais, existem outras complicações que merecem destaque e alerta.

Câncer bucal (Câncer de Boca)

Mais frequente no lábio inferior, é um tumor que pode afetar todas as estruturas da cavidade oral. A incidência é alta no Brasil, com mais de 10 mil novos casos por ano, levando ao óbito cerca de 3.500 pessoas. No início, surge uma ferida na boca que não provoca dor, mas não cicatriza. Os principais fatores de risco são:

idade superior a 40 anos
fumo de cachimbos e cigarros
consumo de álcool em excesso
má higiene bucal
uso de próteses dentárias mal-ajustadas
O diagnóstico precoce é fundamental para a cura. Se houver qualquer alteração de cor e volume na boca, é necessário procurar o cirurgião-dentista.

Herpes

Costuma aparecer depois de situações que provocam baixa resistência imunológica, como estresse. Na fase inicial, o paciente pode apresentar ardor, coceira e a região fica mais avermelhada. A partir daí aparecem as vesículas, fase considerada contagiosa. Nesse período, é necessário atenção para evitar o uso conjunto de talheres, copos, entre outros objetos.

Mau hálito

Ocorre por inadequada higiene bucal, gengivite, ingestão de determinados alimentos, como molhos picantes, tabaco, boca seca e doenças do estômago, fígado e rins. Pode ser mais evidente no período matutino, devido à menor produção de saliva durante a noite, o que contribui para a deterioração dos ácidos e de outras substâncias no interior da boca.

Aftas

São ferimentos na mucosa, de coloração branca e avermelhadas ao redor. Nao existe uma causa específica para seu aparecimento e podem ser consideradas uma alteração no sistema imunológico. Duram de uma a duas semanas.

Cuidados essenciais

Outro fator importante é que a saúde da boca é necessária para a pessoa desempenhar de forma adequada a mastigação e a deglutição. Além disso, colabora com a aceitação social e melhora da autoestima, pois um sorriso harmônico significa não só saúde, mas também bem-estar.

Todos esses problemas podem ser tratados, porém os odontólogos alertam os pacientes sobre a importância da prevenção e de diagnósticos prematuros. Para tanto é preciso visitar periodicamente o dentista. Outro conselho é alimentação saudável, com pouca ingestão de açúcares, esse é o primeiro passo para a saúde bucal. Há ainda outros fatores essenciais que devem ser levados em conta: higiene oral correta, por meio de escovação dos dentes e da língua, uso de fio dental, para alcançar regiões que a escova não alcança, e uso de enxaguatório bucal.

Atendimento diferenciado

A defesa do organismo fica comprometida quando a pessoa apresenta algum problema de saúde, como câncer. A quantidade de leucócitos e plaquetas se reduz quando o paciente passa por tratamento quimioterápico. Isso pode aumentar o risco de infecção sistêmica, que pode ter origem em infecções presentes na cavidade oral. Pensando na importância da saúde oral, o Hospital Israelita Albert Einstein reforçou a equipe multidisciplinar de oncologia, que conta com enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, geneticista e, desde 2003, cirurgiões-dentistas.

O tratamento e acompanhamento odontológico são oferecidos, principalmente, a pacientes que fazem transplante de medula óssea (TMO). Isso porque o mais importante para esses pacientes é ter a certeza de um atendimento completo, seguro e que proporcione melhor qualidade de vida.

Um exemplo é a mucosite oral – uma das principais complicações do transplante de medula óssea –, processo inflamatório da mucosa oral que causa dor, dificulta a alimentação e a fala, além de aumentar as chances de o paciente desenvolver infecções. A doença pode ser tratada e até prevenida pelo cirurgião-dentista em conjunto com a equipe médica.

A equipe multidisciplinar acompanha os pacientes submetidos ao transplante de medula óssea antes, durante e depois do tratamento. É feita uma avaliação para detectar os riscos de infecções locais do paciente e evitar que tenha qualquer tipo de complicação bucal durante o tratamento oncológico. Durante o período de internação, há acompanhamento diário dos cirurgiões-dentistas. O paciente é acompanhado nos próximos cem dias, período em que alguns problemas bucais ainda podem aparecer.

Fonte: http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a-saude

Voltar

OUTRAS POSTAGENS

O QUE É CAD/CAM – TUDO QUE VOCÊ PRECISA ...

TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A TECNOLOGIA QUE MUDA A VIDA DOS DENTISTAS!

Muitos profissionais se perguntam o que é o CAD/CAM e como ele pode ajudá-los no tratamento odontológico em pacientes que necessitam de implantes e restaurações. No entanto, para responder a essas duas questões é preciso, primeiro, entender o panorama geral da saúde bucal no Brasil e assim descobrir que o avanço tecnológico pode ser altamente benéfico para os dentistas que estão em busca de maneiras eficazes de realizar tratamentos dentro de suas clínicas ou consultórios.
Mostraremos nesse artigo também quais os benefícios do sistema CAD/CAM e como ele revoluciona o tratamento odontológico e facilita o trabalho dos profissionais da área.

DADOS RECENTES DA SAÚDE BUCAL BRASILEIRA
O Ministério da Saúde em seu último Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal, realizado através do Departamento de Atenção Básica e da Coordenação Nacional de Saúde Bucal e da Secretária de Vigilância à Saúde, revelou que mais de 45% das pessoas entre 65 e 74 anos se enquadram no alto índice de COPD (Dentes Perdidos, Cariados e Obturados). Entre as crianças e os jovens, o maior índice diz respeito às cáries, mais de 23% da população até 19 anos.
Com isso, os profissionais da área da saúde bucal precisam estar constantemente atentos as evoluções tecnológicas que auxiliem no tratamento eficaz dessas e outras centenas de brasileiros que consultam todos os anos seus odontologistas. Afinal, a perda de dentes e até mesmo as cáries podem causar problemas que necessitam de restauração ou colocação de próteses quando não tratados da maneira correta.

AFINAL, O QUE É CAD/CAM?
CAD/CAM é uma sigla em inglês para duas expressões:
CAD – computer-aided design (desenho assistido por computador)
CAM – computer-aided manufacturing (manufatura assistida por computador)
Atualmente essa tecnologia é utilizada em diversos mercados para realizar o desenho e manufatura de moldes de fundição, lâminas estampadas, ferramentas, desenho de calçados, distribuição de plantas e desenhos e fabricação de próteses dentárias.
Resumidamente, para os dentistas, o CAD/CAM é, portanto, a capacidade de realizar o desenho de uma prótese no computador, ao mesmo tempo em que seu aparelho consegue enviar o comando para uma máquina que realizará a manufatura daquele desenho, transformando-o em uma prótese pronta para ser instalada na boca do paciente, em apenas alguns minutos.

COMO FUNCIONA O SISTEMA?
Agora que você já sabe o que é o CAD/CAM, é hora de entender como esse sistema funciona. Antigamente, e ainda presente em 78% dos laboratórios, a técnica consistia em receber os modelos de gesso enviados depois da consulta clínica do paciente e realizar a estratificação, um trabalho manual que nem sempre conseguia criar próteses tão fiéis. Atualmente, 22% dos laboratórios ainda recebem o molde e realizam um escaneamento do objeto, que é enviado como imagem virtual para um software específico.
Atualmente, a tecnologia evoluiu tanto que os profissionais da área realizam a digitalização diretamente em seus pacientes, sem precisar realiza os moldes de gesso que costumam aborrecer quem necessita de tratamento. Vale lembrar que o dentista pode optar por realizar apenas o processo de scanner odontológico (CAD) ou também usar a fresadora (CAM), criando as próteses no próprio laboratório.
Afinal, não é nada agradável ficar alguns minutos com a moldeira na boca, ter dificuldades para respirar ou precisar manter a mesma posição durante todo o tempo. Além disso, a acuracidade também incomoda, já que o mínimo movimento, ou a mistura incorreta dos materiais, pode distorcer o modelo. Isso faz com que muitas pessoas simplesmente desistam de suas próteses e acreditem que ficaram para sempre sem a restauração ou prótese completa de alguns dentes.
Com o sistema CAD/CAM, o dentista evita que o paciente tenha o desagradável gosto do material usado na moldeira e possibilita que até mesmo aquelas pessoas que tinham medo ou receio de ir ao consultório, possam se beneficiar do tratamento odontológico eficaz.
A verdade é que o sistema revolucionou a odontologia e hoje é um dos mais usado por profissionais que entendem a necessidade de mesclar conhecimento prático com técnico ao tratar quem mais precisa de cuidado.

OS BENEFÍCIOS DO CAD/CAM
Quando falamos nos pontos positivos do CAD/CAM é preciso levar em conta um número impressionante. Em pouco mais de 30 anos, mais de 8 milhões de pessoas foram tratadas com o sistema e mais de 20 milhões de próteses e restaurações foram efetuadas com sucesso.
A verdade é que a automatização aperfeiçoou o trabalho do dentista, que pode abandonar a confecção artesanal, eliminar as inúmeras falhas que ocorriam no trabalho, diminuir o desconforto dos pacientes e ainda aumentar a durabilidade das próteses realizadas.
Além disso, com a precisão técnica há também uma diminuição significativa nas chances do paciente quebrar ou perder as próteses ou precisar realizar ajustes as restaurações ou colocação das próteses.
O sistema CAD/CAM aceita também uma variedade imensa de matérias como a zircônia, cerâmica feldspática, dissilicato de lítio, PMMA para provisórios e calcinável, cerâmicas hibridas, metal pré-sinterizado, o que possibilita que os profissionais possam oferecer aos seus pacientes valores que caibam em seu orçamento, ao mesmo tempo em que garantem a durabilidade e a qualidade do que é criado em seu consultório.

COMO O CAD/CAM AJUDA O DENTISTA?
Quando falamos dos benefícios do sistema é preciso levar em conta um aspecto importante, o modo como o dentista passa a focar melhor em seu trabalho. Isso porque a garantia e qualidade do trabalho realizado pelo sistema o ajuda a manter os pacientes sempre satisfeitos, elimina o desperdício e o gasto com material em excesso e ainda consegue potencializar o atendimento, já que em alguns casos apenas. Isso porque o tratamento é mais rápido e efetivo, podendo ser feito, em diversos casos, em uma única sessão, sem prótese provisória.
Sabemos que com o avanço da odontologia digital e a busca cada dia maior por padrões de qualidade superiores, muitos profissionais da área saberão o que é o CAD/CAM e adotarão o sistema, levando aos seus pacientes a chance de realizarem tratamentos mais eficazes, rápidos e com o melhor custo benefício.
Por isso, os dentistas que estão focados em unir tecnologia com um trabalho focado no bem-estar odontológico de seus pacientes deve seguir os padrões de qualidade cada vez mais altos da odontologia e migrar para o sistema CAD/CAM.

DOLPHIN PARA CIRURGIA ORTOGNÁTICA

DOLPHIN

3D Surgery
3D Surgery é uma ferramenta abrangente de planejamento de casos e apresentações que simula alterações esqueléticas e faciais do paciente em tempo real, além de geras guias cirúrgicos com precisão. Tudo que você precisa é um conjunto de dados 3D DICOM, os modelos virtuais e a foto frontal (opcional).
Você pode usar dados de CT de feixe cônico, espiral CT, e de outras fontes. Combine com exames intra-orais ou modelos eletrônicos para precisas cirurgia de modelo virtual. Junto com as outras características maravilhosas do Dolphin e é por isso Dolphin 3D é utilizado em todo o mundo.

Simples de aprender - Fácil de usar
Inicie com uma tomografia Cone Beam ou Helicoidal.
Em seguida, basta seguir o Assistente de Segmentação passo a passo para criar o paciente para a cirurgia virtual adequada.
Se você utiliza uma câmera facial 3D, o Dolphin pode processá-la; se não, Dolphin 3D Surgery pode tirar o máximo partido das suas fotografias clínicas (2D).

Tratamento
Planejamento Cirúrgico de fácil compreensão

Planejamento Cirúrgico de fácil compreensão

O coração do módulo 3D-Surgery do Dolphin é uma ferramenta de planejamento cirúrgico muito poderosa e abrangente chamada Treat.
Você pode planejar a partir de vistas laterais, de frente ou submento-vértice (SMV). Você tem acesso a muitas ferramentas de planejamento clínico e numérico úteis projetadas especificamente por e para cirurgiões, técnicos e pesquisadores.
Use essas ferramentas para produzir workups rápidos; Discussão interativa com outros especialistas; Ou um plano detalhado com guias cirúrgicos para a sala de cirurgia.

Geração de guias customizáveis

Geração de guias customizáveis
A ferramenta de Splint permite que você selecione a largura, espessura e outros parâmetros do guia com base em seus planos de tratamento.

Crie um guia intermediário para posicionar a maxila ou mandíbula com base na sua ordem de operação preferida. E, em seguida, crie um guia final. Todos os arquivos de dados de splint são gerados no formato padrão da indústria .STL, para impressão física no laboratório de sua escolha, ou mesmo em sua própria impressora 3D no escritório.

Geração de guias customizáveis 2


Limpeza e sobreposição

Esculpe e remova qualquer excesso de tecido em volta da maxila e mandíbula, e substitua os dentes gerados em baixa resoluçao de uma tomografia por um modelo dentário escaneado em alta resolução

Limpeza e sobreposição

Apresentação animada dos tratamentos

Apresentação animada dos tratamentos

A ferramenta Present usa o tratamento simulado para planejar em uma seqüência animada de configurações pré / pós-operação em todas as três dimensões.
Isso permite que você estude cuidadosamente nuances de tratamento detalhadas; Demonstre seu plano ao paciente; ou apresentação de caso de conduta para sua equipe cirúrgica.
Setup
Delimite a área geral das estruturas principais: Segmentos proximais, maxila e mandíbula.

Setup

Cortes
Segmente precisamente a maxila e mandíbula.

Cortes

Marcação de Pontos
Marque pontos essenciais, incluindo os existentes em análises cefalométricas.

Marcação de Pontos

Osteotomia
Faça uma osteotomia personalizada para cada caso/paciente.

Osteotomia

Cirurgia Ortognática: Como Funciona? Quais ...

O procedimento cirúrgico visa a fazer uma correção das alterações faciais e dar mais qualidade de vida para os pacientes. “Orto” vem de correto, e “gnatos” significa maxilares. As melhorias vão além da estética: a mordida do paciente também melhora. Confira mais sobre o assunto.
Esse procedimento ajuda a obter o equilíbrio anatômico do rosto.

Como funciona a cirurgia ortognática?
• Ela busca o equilíbrio anatômico da face.
• É indicada quanto o aparelho ortodôntico não consegue reparar um problema.
• Corrige deformidades ocasionadas por anomalias.
• O trabalho tem início com a ortodontia, antes de ser encaminhado para a cirurgia.
• São feitos exames detalhados para avaliar o problema do paciente.
• Pacientes a partir de 17 anos de idade podem realizá-la.

Embora seja desconhecido por muitas pessoas, o procedimento é simples. Toda a cirurgia é realizada na parte interna da boca, o que não apresenta chances de cicatrizes.
Cada caso é um caso, mas, no geral, o paciente pode ter alta no dia seguinte. O pós-operatório é totalmente orientado pela equipe, para que a pessoa se estabeleça o mais rápido possível e sem qualquer prejuízo.
As vantagens da cirurgia são inúmeras. O paciente pode ter uma mastigação melhor e até a sua digestão irá ser beneficiada. Tudo porque a qualidade da mordida nos alimentos influencia na forma como eles são digeridos.
A função respiratória é outra beneficiada pelo procedimento, além da fonação.
Esteticamente falando, um maxilar que é diferente do outro recebe uma correção importante, o que manterá os dois equilibrados.
Nenhum mais proeminente do que o outro. Esse é um resultado que eleva a autoestima do indivíduo.

Quais são os riscos?
A cirurgia apresenta riscos similares a outras de mesmo segmento. Na verdade, é importante que sejam feitos todos os exames necessários antes de considerar o paciente apto para o procedimento.
Como qualquer paciente, esse indivíduo deve buscar informações sobre a equipe que fará a cirurgia e como será o procedimento, além do pós-operatório.
Por não ser uma cirurgia de emergência, há um tempo para que o profissional também se certifique de que é o melhor momento para realizá-la.
Quanto a dor durante o procedimento, não existe. Toda a cirurgia é feita sob o efeito da anestesia geral.
Se você deseja fazer esse tipo de cirurgia de correção, converse com o seu ortodontista ou cirurgião bucomaxilo antes de mais nada sobre essas informações. Ele poderá esclarecer as dúvidas iniciais e te encaminhar para um especialista no assunto.
Você tem algum problema bucal? Não tenha vergonha de procurar por esclarecimentos e contar sobre o seu problema.
A cirurgia tem como objetivo principal recuperar e oferecer qualidade de vida e conforto para os pacientes submetidos a ele.
Esperamos ter ajudado no seu primeiro passo para a recuperação com a cirurgia ortognática. Compartilhe as informações!