Projeto "Desenho Da Face"

O Projeto "Desenho Da Face" é uma iniciativa do Dr Tiago Tavares, em sua Clínica Privada na cidade de Goiânia - Goiás, que tem o objetivo de viabilizar a Cirurgia Ortognática a pessoas de baixa renda.

O Projeto avalia e analisa sua possível aprovação para realizar o grande sonho da Cirurgia Ortognática a baixo custo.

Existe uma quantidade limite de pacientes para serem operados durante o ano. A prioridade leva em conta a ordem de inscrição e o preparo ortodôntico.

Para participar do "Desenho Da Face" entre em contato pelo email tiago@tiagobucomaxilo.com.br e solicite informações sobre o Projeto. Informe no corpo do email seu nome completo, idade e telefone para contato. Retornaremos o contato para coleta de informações.

Próximo / Anterior

1) Quando eu preciso de Cirurgia Ortognática?

Quando os dentes superiores não encaixam perfeitamente com os dentes inferiores dá-se o nome de má oclusão dentária. A base óssea para os dentes superiores é a maxila, e a base óssea para os dentes infeiores é a mandíbula. Por um fator de genética, o osso maxilar e ou mandibular podem estar em uma posição inadequada fisiologicamante. Em consequencia disto, os dentes também estarão fora de suas posições corretas. Portanto a cirurgia Ortognática estará indicada para adequar corretamente os ossos maxilar e mandibular em sua posição correta e a Ortodontia para posicionar os dentes em sua posição desejada para o perfeito equilíbrio da oclusão (mordida) e da face.

2) Quais os profissionais envolvidos na Cirurgia Ortognática?

O Cirurgião Bucomaxilofacial e Ortodontista são os profissionais responsáveis pelo diagnóstico, planejamento, execução e finalização do caso.

3) Esta cirurgia pode ser realizada no consultório sob sedação?

Não. A cirurga Ortognática é realizada em um seguro centro cirúrgico hospitalar sob anestesia geral.

4) Quanto tempo ficarei internado?

De 1 a 2 dias.

5) Quais os tipos de Cirurgia Ortognática?

A Cirurgia pode ser na maxila (maxilar superior) e ou na mandíbula (maxilar inferior), associada ou não ao mento ("ponta do queixo"). Isto será definido pelas suas características faciais, medidas radiográficas e dos modelos de gesso.

6) Ficarei impossibilitado de abrir a boca após a cirurgia?

Não. Com o advento das fixações ósseas por meio de miniplacas e miniparafusos, não existe a necessidade de bloqueio dos dentes e maxilares.

7) Existe cicatriz no pós operatório?

Não. A cirurgia atualmente é realizada totalmente por dentro da boca.

8) Como é o pós operatório?

A Cirurgia Ortognática é um procedimento que inevitavelmente proporciona edema em face, podendo ser associado a pequenos pontos de equimose (roxos) na pele, porém não há relatos de dor por parte dos pacientes. É possível e viável falar no pós operatório imediato. O tempo de recuperação é de aproximadamente 1 semana. É importante levar em consideração o tipo de Cirurgia Ortognática envolvida e a resposta fisiológica de cada indivíduo.

9) Quanto tempo demora o tratamento ortodôntico?

Em média de 6 meses a 1 ano e meio antes da cirurgia; e 6 meses a 1 ano após a cirurgia.

10) O que acontece se eu fizer somente o tratamento ortodôntico e não realizar a cirurgia Ortognática?

Uma vez a ortodontia realizada isoladamente o seu problema será mascarado, e não resolvido. Os dentes estarão em uma posição quase aceitável, os ossos maxilares continuarão em uma posição inadequada fisiologicamente, não haverá equilíbrio na oclusão dentária e a harmonia facial ficará comprometida.

11) Quanto custa uma Cirurgia Ortognática?

O planejamento envolvido pode consistir em uma cirurgia que envolva somente um maxilar ou em conjunto com o outro maxilar e o mento (queixo), para isto existe a necessidade de analisar exames radiográficos para que medidas angulares e lineares sejam feitas individualmente. Outras variáveis como o Hospital, tempo de internação e tipo de material utilizado interfere no planejamento financeiro de cada caso. A cirurgia ortognática consta no rol de procedimentos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), portanto uma grande fatia deste investimento é coberta pelos planos de saúde hospitalares.